CALAIS: HISTÓRIA DE UMA CASA DA BICICLETA

CIMG4835

Ciclista desde sempre, eu estava convencido que a bicicleta puder estar fonte de atividade e de emprego, em Calais como em outro lugar. Eleito desde 1995 com tres outros ecologistas, estava muito dificil fazer avançar as nossas ideias. E por isso que depois ter visitado varias experiências nas cidades de Strasbourg, Nantes, La Rochelle, Lille etc… eu decidi, com o apoio de alguns amigos montar o meu próprio projecto de “casa associativa da bicicleta”.

2003-2004: Eu preparei isto ano um diplomo de Desenvolvimento Local e Economia Solidaria com a Casa da Bicicleta como projecto a realizar. As atividades previstas ao inicio estavam as seguintes :

  1. Aluguer (todos publicos) de bicicletas classicas e electricas novas. Venda de acessorios;

  2. Colecta de bicicletas usadas, remodelação, reparação, venda;

  3. Entregas pequenas ;

  4. Animações turísticas : acontecimentos, visitas guiadas da cidade ou da região; campanhas de arrecadação de bicicletas etc…

  5. Animações pedagogicas : planos de deslocação, empresas, escolas. Criação de uma “Escola de Bicicleta”multi-gerações.

2005-2006

Eu desejava que este projeto se tornasse uma empresa de inserção. Tentei obter fundos da Região e do Ministerio do Trabalho. Os dois parceiros aceitarão de financiar um Estudo de viabilidade realizado por Movimento (cooperativa de estudantes quem se tornou gabinete de estudos, Toulouse). Criamos “Calais Vélo Insertion” (hoje OVS), por que uma associação sem fins lucrativos tinha que desenvolver o projecto. Mas eu comecei a perceber que os financiadores não me seguiriam:

  • A bicicleta não estava identificada como gerador de actividade economica rentável; estava uma actividade demais recente, com poucas experiências susceptíveis de servir de modelo para estabelecer as previsões financeiras;

  • Os financiadores davam a prioridade ás estruturas sociais ja existentes

  • Por ultimo, a conjuntura do sector da “Inserção“ era ruim. Era um grande risco.

2006-2007 O estudo (Movimento) concluí a uma viabilidade. O projeto foi apresentado ao Presidente da Camara, Jacky Hénin. O melhor lugar era a Estação Central, mais nenhum metro quadrado disponivel. Tinha que fazerCIMG4868 obras para criar um lugar. O investimento era de 200 000€. Caro demais, a câmara recusou.

A história podia acabar là.

Decidimos iniciar o projecto numa forma associativa clássica. Apresentei o meu pedido numa reunião com J. Hénin:

  • Achar um lugar ;
  • Fornecer bicicletas novas ;
  • Dois jovens para começar (contratos ajudados pelo governo);

  • Pelo resto, vamos desenrascar-se !

Ele aceitou.

CIMG4813
Pode ainda usar uma das 50 bicicletas azul com decoração de renda (de Calais!)

Novembro de 2007

A « Casa da bicicleta » abriu, graças ao financiamento dos amigos, de um subsidio do seguro MACIF, da primeira metade do subsidio da câmara, quem forneceu tambem o lugar, o material, 50 bicicletas + 2 VAE. A actividade começou devagar. Voluntários e assalariados tentavam offerecer ao publico uma faixa horaria importante, ate nos dias feriados. Ás receitas são fracas, por que os preços são baixos.

O impacto na população foi muito positivo.

atelierOVS
OVS: uma parte da oficina

inaug-velostation002

Primavera de 2008

Mudança de municipalidade. A associação é reconhecida por o que ela esta fazendo. O nosso subsidio foi aumentado. Alugamos bicicletas na praia, com dois outros estudantes em contrato de verão. Doravante, a casa da bicicleta tera um subsidio de funcionamento anual (16 000 €)

A actividade estava aumentando, as ideias não faltavam :

velostation-Echo62-05-08

  • Trazíamos o correio de alguns gabinetes de contabilidade ;.

  • Tinhamos previsto uma « remodelação » artistica das bicicletas usadas em parceria com a Escola de Arte  da cidade;

  • Os programas pedagogicos com as escolas (velo-bus, pedibus) eram dificil a implementar, por que supervisionados só por volúntarios.

2009-2010

Daí a ideia de montar um dossier para financiar um posto de animador pedagogico. Eu pensava que se asseguramos as crianças ensinando-os aNPDCalaisFSE andar de bicicleta com um programa serio e completo, davamos tambem a confiança nos pais deles. Assim pode se desenvolver a pratica da bicicleta come meio diario de deslocação. Eu montei este dossier MPA (Micro Projets Associatifs), do Fundo Social Europeú. A associaçao recebeu 23 000 € e recrutámos uma animadora, Cindy Morvan, em outubro de 2009.

Em 2010 acabarão tambem os dois primeiros contratos. Este ano recrutamos um empregado definitivo (tecnica/mecanica), Frédéric Boulanger. No verão animamos de novo a praia.

O fundo social Europeu finançou o posto da animadora durante 14 meses. Depois, a associação ou as estructuras publicas (camara, região…)deviam retoma-lo. A associação pagou ate 18 meses, mas não pude pagar mais. As acções implementadas:

  • A comunicação da associação (cartazes, parceiros etc…);CVI-restau'vélo guînesCVI-Affiche vélo école efts adultes séniors

  • A sensibilização das escolas ( pais, crianças, pessoal) ao transporte a bicicleta e pedestre = varios PDES (planos de deslocação) foram iniciados: 8 escolas, 2 escolas preparatorias, ate 1200 familias sondadas e informadas nas deslocações a bicicleta e a pé;

  • A sensibilização dos idosos (saúde) nas estructuras sociais e lares de idosos;

  • Criação de acontecimentos “bicicleta”: passeio nocturno mensalecomob-05-07-2010ecomob-02-2010tematico, campanhas de arrecadação de bicicletas, participação a “Semana da Mobilidade”, ao fórum das associações…

  • Criação de uma “Escola de bicicleta” durante o tempo escolar (3 escolas parceiras) e fora do tempo escolar, para todos os publicos, aos sábados demanhã;ecomob-11-2008

  • No verão, programa de ensino da bicicleta as crianças do “Centro de Ferias da cidade” Jules Ferry;ecomob-07-2010

  • Enquadramento das “Femmes de la Méditerranée” durante varias semanas para aprender-as a andar de bicicleta.les femmes des la méditerannée

  • Sensibilização das empresas as deslocações a bicicleta atravès da Cámara de Comercio e Industria;

No verão de 2010, mais de tudo isso, a ESCOLA de BICICLETA funcionou na beira do mar. Colaboramos tambem a animar os dias de “viagem a 1€ em comboio” (journées TER-MER) e nos organizamos visitas guiadas turisticas no conhecido “Site des Deux-Caps”

Este ano fomos contactados pela cámara para integrar-nos ao projecto de BIKE-SHARE da municipalidade, o Vel’in.CIMG3109 A associação devia tratar da manutenção das bicicletas do sistemo, mas não se fez. Uma pena, pois com este trabalho suplementario, a associação teria podido crescer e empregar mais pessoas.

O estudo de Movimento tinha previsto uma ligação entre os Transportes Publicos e a bicicleta sob a forma de um contrato “bicicleta” complementar ao autocarro. Pouco interessada pela bicicleta, a companhia de TP recusou. Mas três anos depois, esta companhia expandiu o seu sistemo de VLS (du grupo Veolia) na cidade!

Graças a uma subvenção de duas fundações (Caisse d’Epargne, Norauto), aCIMG4814 associação conseguiu financiar a compra de uma carrinha com o projeto futuro de uma oficina movel de reparação de bicicletas.

Essas acções de sensibilização para a “mobilidade suave” são por essencia acções de longo prazo nas alterações no comportamento. Elas fizeram dinheiro para a associação só a partir de 2010 quando os serviços offertos começaram ficar facturados.

Mas apesar do reconhecimento positivo geral da nossa actividade, meus muitos dossiers de pedido de subsidios não tiveram sucesso. Nem a Cámara nem a Agglomeração aceitarão perenizar o posto da animadora a menos ate podermos financiá-lo.

           Todas as acções pedagogicas deixaram de existir.

Desde 2011. Depois tantas anos de investimento pessoal, toda essa energia gastada ao final sem atingir o meu objectivo central, tambem cansado de uma profissão dificil, eu decidi sair desta aventura. OVS pôde felizmente continuar graças a equipa a volta dos presidentes seguintes. Com sempre tantas ideias a implementar.

SONY DSC
Carnaval à vélo !

Desde a criação, OVS acabou de alcançar 1000 aderentes e conseguiu empregar de 2 à 6 pessoas, a tempo enteiro ou parcial. Só faltam os voluntários, quem são mesmo assim uma necessidade para completar as actividades.ecomob-10-2014

Fevereiro de 2015: OVS celebra dez anos de existência. O homenagem que eu recebi me emocionou muito.

                      Longa vida a Opale Vélo Services !

CIMG4828